Coisas que valem muito
Fernando de La Rocque
PT EN

Na paz do Alto-Lagoa
Cheiro de café bom
e o bom barulho do mato.
Natasha,
Enorme, esguia
Nos recebe calorosamente
Sua alegria é notável.

Na sala
Nossos olhos passeiam pelas esculturas
A menor, em valor, de todas elas
Um coelho de cor suspeita e olhar duro,
em cima da geladeira

Janelas, Janelinhas, Janelonas
Pintura em tela é janela,
Tem umas cento e quarenta e cinco janelas nessa casa,
Uma para cada mundo

Natasha mastiga um pão inteiro
Se delicia, e as migalhas caem em seu peito peludo
Farinha, água, e o brilho de Natasha
Impregnados na sala
Papel, porcelana, plástico, texto, folha de ouro
Vidro, acrílico, metal e tecido
Impregnados na sala e na casa toda
Parede, chão e teto
Na cozinha, nos banheiros e nos quartos

Natasha lambe nossos dedos
E se esfrega em nossas pernas
Acho que ela quer alguma coisa
Acho que ela quer ir passear

Em êxtase com a totalidade do conjunto
Com essa ordenada confusão de pedacinhos preciosos do universo
Essa pequena galáxia, diversificada, e em constante expansão.
Que alegria ter contato físico com essas coisinhas!
Nos despedimos de longe, com um beijo e um aceno

Ela caminha delicadamente em nossa direção
Vem rebolando entre as relíquias
Ergue seu focinho comprido
E abre um enorme sorriso.